Romario Regis - Carol PimentaMoradora da Covanca, em São Gonçalo, Carol Pimenta tem 20 anos, faz curso pré-vestibular, estuda modelagem e costura e é influenciadora digital.

Sua vida profissional na internet é recente. Mas, apenas com um mês  de trabalho, a jovem já abordou temas muito importantes em seus trabalhos. “Já falei sobre amor próprio, depressão, gordofobia e os assuntos que continuarei abordando serão semelhantes.”

O objetivo da estudante, em seu canal no YouTube, é falar sobre os problemas que cercam as mulheres e as maravilhas femininas que a sociedade tem dificuldades em enxergar.

Mesmo no início de sua carreira, a youtuber conta que já pôde sentir a admiração do seu público, com mensagens de carinho e agradecimento pelo conteúdo produzido por ela.

A maior dificuldade para ela, em sua profissão, é formar uma linguagem que seja transparente e consiga alcançar vários tipos de público. Já a maior conquista é ver seus seguidores gostando de seu trabalho e aprendendo com os assuntos abordados em suas produções.

Romario Regis - Carol Pimenta

“Eu procuro muito tocar no ponto de estereótipos, do que criam como uniforme para nós gordos. A minha luta maior, atualmente tem sido com os gordos. Com a recuperação do nosso amor por nós mesmos, que a sociedade teima em tirar todos os dias.”

E para lutar contra o preconceito e alcançar seus objetivos, ela tem trabalho duro em seu canal “Papo Reto com Carol Pimenta”. Para aprender com nossa digital influencer, é só se inscrever e ficar de olho nas novidades! Para acessar o canal, clique aqui.

Emerson Bueno tem 28 anos e foi criado no Mutuá, em São Gonçalo. Escolhido pela dança com apenas 17 anos, faz parte da Ako Dance há oito anos, é professor de dança e auxiliar de produção e coreografia, além de empreendedor.

Em janeiro de 2018, Emerson sua própria empresa. O local se chama ”Studio B – Corpo e movimento” que oferece  serviços de personal trainer, aulas de dança fitness, Ballet, Jazz e Sapateado. Para além da formação artística, o profissional também trabalha com o desenvolvimento de coreografias para eventos como casamentos e formaturas.

19149060_1461185057271766_840220352961037362_n

É difícil escolher apenas uma realização visto que já são 11 anos de muita correria, aulas, trabalhos e tudo mais.” Mas, mesmo que selecionar um episódio mais marcante em sua carreira, nosso entrevistado destaca o momento em que a Ako Dance conseguiu o terceiro lugar no Festival de Dança de Joinville como um dos mais importantes da sua trajetória na dança.

Emerson conta que a maior dificuldade que enfrentou ao escolher a dança como profissão  foi conseguir fazer as pessoas acreditarem que ele conseguiria viver da arte. O período de formação artística dele não foi nada fácil. Estudava em Copacabana morando em São Gonçalo, acordava às 4 da madrugada, participava das aulas e depois voltava para São Gonçalo para trabalhar.

Romario Regis - Emerson Bueno

Meu principal sonho é um dia poder estudar em Alvin Ailey que fica em Nova Iorque.  É uma escola de arte pela qual tenho verdadeira paixão, e sonho em algum dia poder ao menos pisar naquele lugar.” finaliza Emerson.

Tudo começou ainda criança quando Claudionei decidiu criar uma página de memes no Facebook. Meses depois, começou a ler jornais assistir as entrevistas dos candidatos a presidência em 2014 e resolveu criar uma nova página chamada ”A Política RJ”. O conteúdo era voltado para noticiar a política gonçalense. ”Queria criar a página sobre a minha cidade, para que outras pessoas pudessem discutir a política local”, disse Claudionei.

O futuro jornalista tem 16 anos e é nascido no bairro Anaia Pequeno. Estudou no Colégio Estadual Prof. Francisco de Paula Achilles onde fundou junto com um amigo o primeiro grêmio estudantil da escola sendo eleito Presidente do grêmio. Para produzir o conteúdo de seu blog, ele assiste a todas as sessões plenárias pelo site da TV Câmera e lê todos os veículos de comunicação da cidade.

Acho que ninguém entra na política por que quer. As pessoas entram pois sentem necessidade. Se futuramente eu ver que posso melhorar a minha cidade, vou me candidatar.”  Essa foi a resposta dada do jovem quando questionado sobre a possibilidade de um dia se candidatar a algum cargo político.

Sua página no Facebook está quase batendo 10.000 likes e seu site está com mais de 3 milhões de acessos.

Erick é criado no Engenho Pequeno e nos últimos 26 anos mora no bairro Lindo Parque, é escritor e está prestes a completar 41 anos.

Há seis anos ele escreve críticas literárias e há três, ficções. Em sua obra recém lançada chamada “Panapaná”, fala sobre pontos conhecidos do município como a fábrica de máscaras da Covanca, o cemitério São Miguel, a Escola de Samba Porto da Pedra, entre outros.

WhatsApp Image 2018-06-08 at 10.50.06

Nosso escritor fala que seus contos sombrios com panos de fundos históricos surgiram da ideia de compartilhar com o público um pouco das lendas que ouvia desde moleque sobre esses lugares. Para criar seus textos ele tem como inspiração Graciliano Ramos, sobre quem pesquisa academicamente.

Meus objetivos são defender o mestrado ainda este ano, por conseguinte prestar seleção para o doutorado. E tenho também um romance em andamento.” afirma Erick, apontando seus próximos projetos literários e acadêmicos.

LANÇAMENTO – No dia 15.06 às 19h durante o evento do Diário da Poesia – Sussurros Poéticos – acontecerá o lançamento do livro “Panapaná: Contos Sombrios” do escritor gonçalense Erick Bernardes.

O Diário da Poesia acontece no ICBEU – Rua Dr. Francisco Portela, 2772 – Zé Garoto – São Gonçalo. Não perca! O livro custará R$ 30,00 direto com o autor.

Flávia Perrú é uma gonçalense criada no Porto da Pedra. Iniciou no ballet aos 3 anos e nunca mais parou. Também é apaixonada pela educação e buscando se qualificar desde o início de sua formação, se graduou em Letras pela UERJ e em Dança pela UFRJ.

Em 1999, Flávia fundou a ONG Projeto Quem Dança Faz Arte – Grupo Mudanças. Para além de uma organização não governamental, o grupo é uma família que unidos pela arte, se ajudam em todas as dimensões afetivas, profissionais e artísticas. Em 2013, o Projeto levou duas coreografias para o Festival de Joinville. Foram dez bailarinos sem patrocínio algum viajando para outro estado pela primeira vez e representando São Gonçalo no maior festival de dança do Brasil.

Romario Regis - Flávia Perru
Fotografia – Rê Colônia

O MuDanças já participou de diferentes concursos e festivais no estado do Rio e sempre voltam com prêmios para casa. A maior dificuldade para manter o grupo é financeira. A ONG é mantida por Flávia, seu marido e sua irmã. Profissionais formados pela professora trabalham com ela como voluntários para ajudar no funcionamento das atividades.

Romario Regis - Flávia Perru
Fotografia Retirada da Internet

Para fazer parte do Projeto os alunos devem ser bons na escola e em casa. O comportamento deve ser exemplar.”  Essas são as exigências básicas para fazer parte dessa equipe. Todo início de ano são abertas novas turmas através de edital de vagas para ballet, jazz e hip hop. As informações sobre as vagas são divulgadas na página do facebook, no instagram e no site. Lá você também encontra mais informações sobre o projeto. 

Ivan não é gonçalense. Nasceu em Jacarepaguá e veio morar em São Gonçalo com 14 anos por conta do trabalho do pai. E aqui mesmo, em São Gonçalo, descobriu seu amor pelo teatro.

Ele estudou no Frederico Avezedo e foi lá que começou essa linda história de amor com os palcos. Uma professora de educação artística solicitou que os alunos montassem uma peça e desde essa apresentação ele nunca mais abandonou a arte.

Começou a procurar cursos livres de teatro, foi somando experiências, conhecimento e principalmente descobrindo como a arte pode ser libertadora. “Eu sempre fui um menino obeso e era excluído de algumas coisas na minha juventude. Nas aulas de teatro me sentia abraçado, as pessoas queriam saber a minha essência.

Romario Regis - Ivan de Oliveira
Fotografia – Rê Colônia

Em 1991, Ivan já tinha desejo  de compartilhar conhecimento e se ofereceu para dar oficinas de teatro, ainda como estudante, junto ao Fernando Mattos. Ele é professor e tem o prazer de ter lecionar na escola em que estudou seu ensino fundamental. Também é formado em Artes Visuais, Superintendente de Artes Cênicas do Município de São Gonçalo, diretor, ator e escritor da Luminous Companhia de Teatro.

Quem é ator sabe que tem que estar preparado pra tudo! E com ele, não é diferente . Ele contou pra produção que seu figurino já descosturou em cena, já viu o cenário desabar em plena apresentação e chegou a estar em uma apresentação na qual o refletor chegou a pegar fogo. E em meio a tantas adversidades, Ivan segue sendo apaixonante.