Pular para o conteúdo

A cidade do Rio tem dois prefeitos e o resto do Estado não tem Governador.

Pezão é o retrato da repugnância da política. Foi Secretário de Rosinha, de Garotinho e de Sérgio Cabral. Hoje, como governador, consegue juntar ações atrapalhadas com uma gestão que foi jogada de um helicóptero sem para quedas, além de uma série de denúncias que ao perder o foro privilegiado no dia 31 de Dezembro o farão ter um rumo parecido das suas lideranças políticas que estavam juntos no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu.

A organização política de um país é clara. O Prefeito cuida do Município, o Governador do Estado e o Presidente do País. O que acontece no Rio é que o Governador tem uma agenda de capital. Só tem projeto político, projeto público e gestão para a capital. Todos os grandes investimentos ficam num eixo geográfico que não dá conta da complexidade do Estado e o que resta (com muita dificuldade de funcionamento) para as cidades além da capital são apenas serviços cotidianos como escolas e hospitais.

Mesmo Niterói que é uma cidade que já foi capital sofre com a ausência do Governo do Estado. Emprestam dinheiro para que os aparelhos do Estado Funcionem, compram carros para a Polícia, além de assumir constantemente as responsabilidades do Pezão. Já as cidades e regiões que não possuem recursos como a “cidade sorriso”, ficam simplesmente com a dependência das gestões municipais para a ordem do dia, para a gestão da cidade e para tentar não quebrar ainda mais do que já estão quebradas.

Pezão é o Governador que não repassa recursos para os Municípios, não faz investimentos nos municípios e ao mesmo tempo isenta a AMBEV de pagar R$650 milhões de reais em impostos. Pezão é o Governador que não pisa em São Gonçalo, na Baixada Fluminense, mas isenta a Cervejaria Cidade Imperial de pagar 10 BILHÕES DE REAIS ICMS  para o Estado.

E assim é na Saúde, na Educação, na Segurança Pública, na Cultura, na Mobilidade Urbana, no Meio Ambiente e em todas as demandas que ele deveria se comprometer. O país está quebrado, o histórico de Governadores do Rio de Janeiro complica ainda mais o cenário, mas é importante que o Governador se posicione o mínimo em relação aos problemas dos outros municípios. Garotinho e Cabral foram uma vergonha para o Rio de Janeiro, mas pelo menos apareciam. Pezão não, Pezão de pé não tem nada, mas tem de bunda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: